pena de morte ao cristão
Cristão tem pena de morte decretada

O caso teria ocorrido em 2011, quando um cristão teria enviado uma suposta carta considerada “blasfema” a um adepto do islã.

Através da pressão de vários advogados que representavam o grupo legal islâmico, um adventista do sétimo dia teria sua pena transformada de prisão perpétua, para pena de morte.

O Tribunal Superior de Lahore em 10 de março mudou uma sentença de prisão perpétua para pena de morte de um cristão condenado por enviar um texto considerado ”blasfemo” em 2011.

A aprovação do tribunal superior de uma apelação para a revisão do código criminal apresentado pelo Fórum Khatam-e-Nabuwwat (KNF, ou Movimento para a Finalidade da Profecia) buscando a pena de morte por tais violações despertou temores de um possível aumento nas condenações sob leis polêmicas, disseram as fontes.
 
Parentes de Sajjad Masih, o cristão condenado de 36 anos, disseram que o juiz Malik Shahzad Ahmad Khan decidiu a favor da revisão da sentença e então enviou o recurso de Masih para uma bancada da divisão.
 
“O juiz Shahzad encaminhou o recurso para uma bancada da divisão para evitar a pressão dos advogados da KNF, e é mais provável que este recurso, como outros recursos semelhantes, continue a ser adiado devido ao fator do medo”, disse uma fonte.
Um tribunal sentenciou Masih, membro da Igreja Adventista do Sétimo Dia na cidade de Gojra, província de Punjab, à prisão perpétua em julho de 2013, por enviar uma mensagem de texto polêmica a um muçulmano em dezembro de 2011, embora houvesse várias falhas no caso da acusação, de acordo com seu advogado. Masih também foi condenado a pagar uma multa de 314.500 rúpias (US $ 2.010).
 
Um grande número de advogados da KNF invadiram a sala do tribunal durante uma audiência sobre o recurso de Masih e a petição da KNF, uma tática de intimidação criada para obter condenações e sentenças severas, de acordo com fontes que falaram sob a condição de anonimato devido a temores de segurança.
 
“Eles disseram ao juiz que a pena de morte era a única sentença por blasfemar contra o profeta do Islã, e que Sajjad deveria ser executado sem demora”, disse a fonte em sigilo.
As leis do Paquistão determinam prisão perpétua ou pena de morte para todos aqueles que falem, escrevam ou insinuem qualquer desrespeito ao considerado por eles Santo Profeta Muhammad.
Em 1991, no entanto, o Tribunal Federal Shariat (islâmico) fixou a pena de morte como a única punição possível para blasfêmia, levando o advogado Ghulam Mustafa Chaudhry, presidente da KNF, a afirmar: “A punição para blasfemadores é apenas a morte, não há outra alternativa.”
 
Desde que o KNF foi fundado há 20 anos, o número de casos de blasfêmia movidos contra cristãos e outras minorias na província de Punjab aumentou muito.
Poucos advogados muçulmanos estão dispostos a arriscar suas vidas defendendo uma pessoa acusada de blasfêmia, especialmente se pertencer a uma comunidade minoritária, disse um advogado da suprema corte do Paquistão.
Segundo ele, os advogados de acusação são muito truculentos e usam táticas de intimidação nos casos contra cristãos e minorias.
Com informações de Christian Headlines

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui